Indústrias, estabelecimentos comerciais, propriedades rurais e residências sul-mato-grossenses passam a contar com a expertise do Senai para implantar sistemas de geração de energia solar.

O Senai apresenta, nesta terça-feira (15), às 18h30, no auditório da unidade em Dourados (MS), o projeto “Sistemas Fotovoltaicos”, que integra o PSGE (Programa Senai de Gestão Energética) e marca a inserção da instituição no mercado da energia limpa. A partir de agora, as indústrias, estabelecimentos comerciais, propriedades rurais e residências sul-mato-grossenses passam a contar com a expertise do Senai para implantar sistemas de geração de energia solar com foco na redução de custos, economia de energia e eliminação do desperdício

Durante o evento, técnicos do Senai e do Banco do Brasil simularão, por meio do uso das contas de luz das pessoas presentes, a viabilidade da implantação de sistemas geradores de energia solar, inclusive considerando as linhas de financiamento disponíveis, tanto paras empresas, quanto para as propriedades rurais e urbanas. Conforme o gerente do Senai Empresa, Rodolpho Caesar Mangialardo, trata-se de uma oportunidade baseada em uma tendência de mercado da energia elétrica no País e o projeto será desenvolvido em parceria com a Famasul, Fecomércio-MS, Faems, Amas e Sebrae/MS.

Rodolpho Mangialardo esclarece que o uso da energia solar em qualquer tipo de unidade consumidora é promessa de economia, no entanto, não é possível, precisar em quanto a conta de luz será reduzida com a instalação dos painéis, o que depende de uma série de fatores, como a média de consumo mensal, variação nos preços da energia e a imprevisibilidade do clima, porém, a diminuição de gastos varia entre 50% e 95%.

“Não é possível economizar até 100% na conta de luz porque só com o fato de estar conectado à rede de energia gera um consumo mínimo, ou se houver variação da incidência de luz solar, o que também influencia. No entanto, o consumo de energia elétrica pode, sim, ser zerado e todo esse excedente, que é injetado na rede elétrica, pode ser usado no prazo de cinco anos, ou comercializado. E existe também a possibilidade de essa energia ser consumida em outras propriedades, como um segundo imóvel, uma fazenda, nas fazendas, desde que vinculado a um mesmo CNPJ ou CPF”, explicou o gerente do Senai Empresa, responsável pela gestão do projeto dos sistemas fotovoltaicos.

 

Fonte: A Critica 

 

 

Categorias: Notícias

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.